Você sempre se sente bastante frustrado quando as férias de 30 dias terminam e precisa voltar ao trabalho na segunda-feira seguinte?

Não consegue entender essa lógica que diz que você precisa trabalhar durante o ano inteiro para só assim ter o direito de descansar, viajar e conhecer lugares novos no período de um mês?

Frequentemente se pergunta como as pessoas fazem para largar o emprego, tirar um ano sabático (ou apenas alguns meses) e viajar pelo mundo?

Bom, talvez você até já se imaginou jogando tudo para o alto para passar mais tempo viajando, mas sabe que tomar essa importante decisão não é nada fácil e simples. O que provavelmente você não percebeu ainda são as desculpas que nós mesmos inventamos para continuar sempre na mesma situação ao invés de tentar algo diferente.

Quer alguns exemplos?

1 – Prefiro me garantir do que arriscar

Até que se adquira experiências suficientes, todo mundo tem medo de assumir riscos. É natural do ser humano buscar por pequenas zonas de conforto. Em relação ao trabalho não é diferente. Acreditamos que somente com um bom emprego e um salário no final do mês temos condições de alcançar o que desejamos ou, no mínimo, sobreviver.

Como fica a minha garantia de trabalho quando eu voltar de uma viagem mais longa? Vou ter a minha vaga novamente? Nos apegamos a um emprego que em uma semana pode não existir mais. Ou quando você foi contratado te garantiram que nunca poderia ser demitido? Se o seu patrão mudar de ideia, adeus estabilidade!

A verdade é que uma viagem mais longa vai te oferecer inúmeras oportunidades de aprender novas habilidades profissionais ou, no mínimo, abrir sua mente para outras formas de ganhar dinheiro. Viajar o mundo é um caminho sem volta para descobrir potenciais que você nem imaginava possuir.

Se você se considera um excelente profissional, imagine depois de viver uma experiência tão rica como conhecer diferentes países, pessoas e culturas? É um conhecimento adquirido tão valioso quanto fazer qualquer tipo de curso voltado para a sua profissão.

photo-1428954376791-d9ae785dfb2d

2 – Não tenho dinheiro para uma viagem longa

É bom inventar outra desculpa se você sempre viaja para o exterior nas férias, mas diz que a grana está curta para viajar por mais tempo. Sim, viagens de longo prazo ainda não são comuns. A maioria das pessoas se programa financeiramente para viajar por um mês ou menos. E por isso acreditam que ficar mais tempo longe de casa significa mais gastos. O valor total pode até ser maior, mas diluído entre os números de dias na estrada tende a cair drasticamente.

Fazer uma viagem de volta ao mundo definitivamente não é privilégio de ganhadores de loteria ou herdeiros milionários. Com muito planejamento, controle financeiro e motivação para economizar, qualquer pessoa que possui uma fonte de renda razoável pode viajar por mais do que 30 dias.

Se você não se importa com hotéis cinco estrelas, viagem de primeira classe e restaurantes caríssimos, vai ficar muito feliz em saber que existem dezenas de formas de economizar na compra da passagem aérea, na hospedagem, na alimentação e nos passeios em qualquer lugar do mundo.

Você pode adaptar suas escolhas a um estilo mais econômico de viajar. Escolher hospedagens que cobram muito menos do que um hotel (ou não cobram nada), trocar trabalho voluntário por uma cama e alimentação, comer onde as pessoas locais costumam ir e até economizar nas passagens utilizando milhas e promoções, por exemplo.

3 – Estou velho para viajar pelo mundo

Até que provem o contrário, não está escrito em lugar algum que você só pode fazer determinada viagem até certa idade. Aliás, neste exato momento tem muita gente com mais de 40 ou 50 anos conhecendo um monte de lugar bacana pelo mundo, enquanto a saúde permite e a vontade impulsiona.

Muitas vezes deixamos de fazer algo por achar que estamos velhos demais e, após alguns anos, percebemos que pouca coisa mudou nas nossas vidas neste período. Logo, descobrimos que aquele sonho já poderia ter sido facilmente realizado independentemente da idade. Aí aparece o arrependimento.

O momento perfeito para viajar pelo mundo só você pode decidir, adaptando cada escolha com as suas atuais preferências. A maioria das cidades hoje oferecem opções de diversão, cultura e lazer para todas as idades.

4 – Sonho, sonho, sonho e depois desisto

É bem comum nos imaginarmos nos mais incríveis lugares ao vermos no Facebook ou no Instagram belas fotos de viagem. Você sempre sonhou conhecer vários países, viver a maior experiência da sua vida, mas não consegue tirar os planos do campo das ideias.

Uma viagem longa realmente requer planejamento. São muitos detalhes para resolver, como o roteiro, locomoção, quanto dinheiro levar e como levar, os locais onde dormir e comer, etc. Muitos levam semanas, meses ou anos para ter tudo definido. Por isso, é preciso ter foco e muito senso de prioridade. Não adianta nada se empolgar com o projeto, para perder o interesse logo depois ou se interessar por algo diferente.

5 – Falta uma companhia de viagem

Já até falei aqui no blog sobre as vantagens de viajar sozinho. Não ter uma companhia de viagem definitivamente não deveria ser uma desculpa para ficar em casa.

Pense que você conhecerá pessoas de várias partes do mundo, nunca estará realmente sozinho, com a vantagem de poder programar o seu próprio roteiro, os lugares que gostaria de viajar e como chegar lá.

Nem sempre nossas melhores companhias estão no mesmo momento que nós estamos. Enquanto você quer viajar e conhecer o mundo, seus amigos estão casando, formando uma família ou criando uma empresa. Ou seja, eles estão realizando sonhos e você aguardando o companheiro perfeito para embarcar na sua viagem.

No final das contas, viajar é sempre muito bom. Não conheço ninguém que não gosta e é assunto de boa parte das conversas que temos com quem nos relacionamos.

Mas infelizmente nem todo mundo pode viajar mais do que nos 30 dias de férias, por isso prefiro deixar claro que este texto não tem a pretensão de incentivar atitudes irresponsáveis ou impensadas. Acredito que todo mundo deve manter um equilíbrio entre o que tem vontade de fazer e o que realmente deve ser feito.

Se você já está no emprego dos seus sonhos, faça de tudo para mantê-lo. Os mais inteligentes perseguem a vida inteira aquilo que você já encontrou.

Se você tem uma família e outras pessoas dependem de você, não fuja dessa responsabilidade e sinta-se muito orgulhoso por isso. Ter a oportunidade de contribuir para a formação e a educação de uma pessoa é certamente uma das melhores experiência que alguém pode viver.

Gostar de viajar é apenas mais uma opção, assim como tem pessoas que gostam de ir ao shopping fazer compras, outras apenas preferem se divertir com os amigos no final de semana e, alguns, trabalhar por horas e horas (e anos), acumulando ganhos financeiros e conquistas profissionais.

Não há absolutamente nada de errado com cada uma destas escolhas. Mas se você gosta mesmo é de conhecer lugares novos e se faz todos os dias as três perguntas que fiz no início de texto, elimine de uma vez as desculpas que estão te impedindo de viver o que pode ser a maior experiência da sua vida.